A aproximação do verão traz consigo um aumento da preocupação com o peso e com a imagem corporal. Aumenta também a publicidade a métodos e a produtos destinados a perder peso. Muita desta publicidade sugere resultados rápidos e pouco realistas. Infelizmente, a grande maioria destes produtos não conduz a soluções duradouras e pode até provocar carências nutricionais quando incentivam dietas desequilibradas.

A forma mais saudável de emagrecer e manter o peso é combinar hábitos alimentares saudáveis com exercício físico regular. Antes de pôr mãos à obra, certifique-se de que precisa mesmo de perder uns quilos. Não existe um peso ideal, mas de  referência, que depende das características do corpo, da idade e do estado de saúde.

O Índice de Massa Corporal (IMC), em geral, fornece uma boa indicação. Comece por verificar o seu IMC. Se acusar quilos a mais, convença-se de que precisa mudar hábitos.

Caso necessite de emagrecer mais de 10 kg, o ideal é consultar um médico ou nutricionista/dietista. Fixe metas intermédias: perca parte do peso, faça um período de manutenção e retome a dieta até atingir o objetivo. Mantenha, depois, uma alimentação variada e a prática de exercício de modo a controlar o peso, manter a forma e o bem-estar.

Para haver emagrecimento, os alimentos que ingere devem fornecer uma quantidade de energia inferior àquela que gasta. Mas, durante o emagrecimento, nunca deve descer para níveis calóricos abaixo das 1200 quilocalorias por dia para as mulheres e as 1500 quilocalorias por dia para os homens, sob pena de levar a um emagrecimento demasiado rápido, com riscos para a saúde.

Os comprimidos para emagrecer ganham mais e mais popularidade. Uma grande quantidade dos produtos dificulta a escolha.

- Produtos que diminuem apetite  – p. ex. crómio, um elemento que ajuda a regular o nível de insulina, colesterol e a produção de ácidos gordos. Favorece a redução da acumulação de gordura corporal. Estes suplementos dietéticos podem ser eficazes para algumas pessoas e para outras não, a reação para o crómio é uma questão individual, porque é uma substância de apoio na perda de peso e não o produto para perder peso.

- Termogénicos - e têm surgido interesses nos potenciais efeitos termogénicos de compostos extraídos de plantas, como a cafeína do café, efedrina da efedra, capsaícina das pimentas e catequinas e teínas de chás. O excesso é prejudicial, pode causar insónia e problemas cardíacos. Outro tipo de termogénico é a carnitina, que está presente em vários suplementos para emagrecer, mas ainda não está confirmada a sua plena eficácia.

- Produtos que aumentam a saciedade  – fibra(s), é um ingrediente de base de muitos produtos para emagrecer. As fibra “incham” no estômago e dão uma sensação de saciedade. São muito utilizadas no tratamento da obstipação pois estimulam o trânsito intestinal mas dificultam a absorção de elementos importantes como o zinco, o ferro e o cálcio.

As características desejadas para os fármacos são que eles atuem sobre a gordura do corpo e não sobre água e tecido muscular, que não tenham efeitos colaterais importantes e que sejam testados por estudos clínicos confiáveis.

Os suplementos de emagrecimento nem sempre são eficazes e, sobretudo, seguros. Perda de peso bem-sucedida é principalmente uma combinação de dieta com o exercício. Os suplementos podem ser utilizados como adjuvantes.

 

Mestre em Nutrição Clínica

Sara Casado